segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Crianças, não merecem nossos erros.

O tempo passa rápido, me lembro como ontem quando eu corria contra o vento só para sentir a brisa, a sensação de liberdade, acho que deve ser a mesma a qual os pássaros passam, será que os animais tem pensamentos semelhantes a crianças, ou foram nós que ao evoluir corporalmente regredimos mentalmente? O que sei é que o mal não penetra no coração delas...

Todos aqueles homens corrompidos que por nosso mundo passaram fazendo outros sofrerem por palavras ou por suas próprias mãos, também já foram crianças amáveis e puras um dia, tudo leão dominador de seu vasto território já foi um pequeno e dócil felino.

Deus nos deu o livre arbítrio para decidirmos qual caminho devemos tomar, para qual proposito devemos viver, quais objetivos concluir, e por isso somos invejados pelos anjos, mais infelizmente homens tendem a errar, optam pela erroneidade, sua teimosia os sega, se acham perfeitos e dizem que outros estão doentes, pois não são como eles e o que fazem, decapitam nossos sonhos do mundo, tiram nossas vidas, a que direito se elas nunca foram deles, calam nossas vozes como que se fosse um presente deles para nós, triste para aquele que perdeu seus sonhos e tenta tomar o dos outros. Eles causam guerras, brigas, mortes, destroem tudo e perdem tudo, e por nada.

Mais a mudança, a liberdade, vem pelas mãos de alguém bem pequeno a nossos olhos, uma pessoas frágil mais feliz, mesmo quando tudo pareci estar caindo ela sempre abri um sorriso, como uma luz que nos tira das trevas tocam nossos corações, e esquecemos o mal que estamos fazendo, crianças a luz da vida...

Os soldados quando estão nos campos de batalha guerreando, desejam voltar para casa por seus filhos, irmãos, conhecidos, querem voltar por seus sonhadores pequeninos e felizes...

As guerras, acabam não por o superior poder do inimigo, não pelas armas ou bombas, mais sim por elas, as crianças, de um jeito ou de outro. E são sempre elas quem mais perdem com nossas tolas decisões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário